Rongorongo: O Misterioso Sistema de Escrita de Rapa Nui

Compartilhe com seus amigos!

Um Enigma Único da Ilha de Páscoa

Rapa Nui, conhecida como Ilha de Páscoa, é a ilha habitada mais remota do mundo. Este pedaço de terra vulcânica sem árvores tem apenas 163 quilômetros quadrados e fica a 3.800 quilômetros da costa do Chile. Repleta de estátuas monolíticas Moai, a ilha intriga pesquisadores há séculos. Recentemente, uma descoberta fascinante aprofundou ainda mais este mistério.

Rapa Nui
Rongorongo: O Misterioso Sistema de Escrita de Rapa Nui 2

Os primeiros habitantes chegaram à ilha no século XII. Europeus desembarcaram em Rapa Nui na década de 1720, trazendo doenças que dizimaram a população. Em 1863, invasores do Peru escravizaram muitos moradores, restando apenas cerca de 200 indígenas.

No ano seguinte, um missionário chamado Eugene Eyraud descobriu a escrita Rongorongo, intricadamente inscrita em tábuas de madeira. Eyraud observou que essas tábuas estavam em todas as casas e contavam em centenas. No entanto, quando os europeus retornaram para coletá-las, apenas algumas dezenas foram encontradas.

Quatro tábuas foram enviadas a uma congregação em Roma para preservação, onde permaneceram por mais de 150 anos. Até recentemente, acreditava-se que o sistema de escrita Rongorongo tinha elementos introduzidos por estrangeiros. Contudo, uma equipe de cientistas da Itália e da Alemanha encontrou evidências de que a linguagem elaborada é anterior à colonização europeia, trazendo implicações antropológicas extraordinárias.

“Descobrir um sistema de escrita em um local tão remoto é surpreendente, e o debate sobre suas origens continua. Embora seja difícil provar que o contato com europeus letrados não tenha sido um estímulo para sua criação, seus glifos pictóricos não se assemelham a nenhum script conhecido”, afirmaram os pesquisadores.

Rapa Nui – Um Enigma Único da Ilha de Páscoa

Dos quatro tablets preservados, a datação por radiocarbono revelou que três foram feitos com árvores crescidas nos séculos XVIII ou XIX. Surpreendentemente, a quarta tábua foi datada de uma árvore do século XV—mais de 200 anos antes da chegada dos europeus e antes de ser enviada para preservação.

Esta análise sugere que Rongorongo é uma linguagem antiga completamente indígena de Rapa Nui e que talvez tenha sido mantida em segredo até meados do século XIX. Se for assim, este seria um exemplo raro de um sistema de escrita inventado sem influência ou conhecimento prévio de outras escritas.

Rapa Nui é distante de qualquer costa onde madeira pudesse ser facilmente obtida. Complicando ainda mais, a madeira da árvore do século XV viajou da África do Sul, sugerindo que pode ter sido madeira flutuante. Os autores afirmam que é improvável que a madeira tenha sido mantida por mais de 300 anos antes de ser inscrita. No entanto, as gravações não podem ser datadas, o que impede o rastreamento preciso da história da língua Rongorongo.

“Quando a madeira é escassa, os ilhéus podem reutilizar madeira antiga ou usar madeira flutuante, que pode ser centenas de anos mais velha do que a escrita”, disse Terry L. Hunt, antropólogo e historiador de Rapa Nui.

A condição da quarta tábua é relativamente preservada, indicando sua importância para o povo de Rapa Nui.

“Dada a ausência de insetos devoradores de madeira e condições secas, a madeira pode ser preservada por longos períodos”, disse James Speer, dendrocronologista da Universidade Estadual de Indiana.

Datando a emergência do Rongorongo, os filólogos ainda debatem se é uma forma de proto-escrita ou um sistema completo. Contendo mais de 15.000 caracteres pictográficos, representando animais, plantas, formas geométricas e figuras antropomórficas, a escrita é disposta em linhas horizontais, em um estilo único chamado boustrophedon reverso, onde cada linha alternada é invertida.

Até hoje, Rongorongo permanece indecifrável. Seu uso era principalmente restrito a sacerdotes indígenas, capturados durante a invasão peruana, e ninguém familiarizado com a leitura dos scripts foi encontrado desde então.

“Uma coisa é certa,” disse Hunt, “Sabemos que a criação das tábuas Rongorongo continuou no século XIX, significativamente após a chegada dos europeus. A prática cultural contínua e a persistência do conhecimento tradicional são notáveis, dada a profunda transformação sofrida pelo povo Rapanui após o contato europeu.”

Este artigo foi publicado originalmente no Atlas Obscura , o guia definitivo das maravilhas ocultas do mundo.

O Enigma das Linhas de Nazca: Uma Jornada pelo Peru

Compartilhe com seus amigos!