Home » Tudo sobre Viagens » Notícias » “Telescópio Webb revela novas imagens do coração da Via Láctea”

“Telescópio Webb revela novas imagens do coração da Via Láctea”

Compartilhe com seus amigos!

O Telescópio Espacial James Webb mergulhou no coração da galáxia da Via Láctea, revelando novas características e mistérios dentro dessa região caótica que
podem ajudar os astrônomos a desvendar mais detalhes sobre o universo primitivo.

A capacidade do observatório espacial de visualizar o universo em luz infravermelha, invisível ao olho humano, capturou detalhes nunca antes vistos na imagem,
divulgada pela NASA na segunda-feira.

Os astrônomos usaram o Webb para vislumbrar o Sagitário C, ou Sgr C, uma região ativa de formação de estrelas localizada a cerca de 300 anos-luz do buraco
negro supermassivo central da galáxia, Sagitário A*. Um ano-luz, equivalente a 9,46 trilhões de quilômetros, é a distância que um feixe de luz percorre em um ano.

“A imagem do Webb é impressionante, e a ciência que obteremos dela é ainda melhor”, disse Samuel Crowe, investigador principal das observações e estudante de
graduação na Universidade da Virgínia, em um comunicado. “Estrelas massivas são fábricas que produzem elementos pesados em seus núcleos, então entendê-las melhor é como aprender a história de origem de grande parte do universo.”

Estudar o centro da Via Láctea com o Webb pode fornecer informações sobre quantas estrelas se formam lá e se estrelas massivas têm mais probabilidade de se
formar perto do centro galáctico, em vez dos braços espirais da galáxia.

“Nunca houve dados infravermelhos sobre esta região com o nível de resolução e sensibilidade que obtemos com o Webb, então estamos vendo muitas características aqui pela primeira vez”, disse Crowe. “Webb revela uma quantidade incrível de detalhes, permitindo-nos estudar a formação de estrelas neste tipo de ambiente de uma forma que não era possível anteriormente.”

"Telescópio Webb revela novas imagens do coração da Via Láctea"
Image: Sagittarius C Features –
NASA, ESA, CSA, STScI, Samuel Crowe (UVA)

Estrelas jovens e emissões dinâmicas

Estima-se que haja 500.000 estrelas brilhando dentro da imagem, todas variando em tamanho e idade. Entre elas estão um aglomerado de protoestrelas, ou massas densas de poeira e gás que ainda estão se desenvolvendo e crescendo em estrelas
completas – incluindo uma protoestrela massiva no centro do aglomerado que possui mais de 30 vezes a massa do Sol.

As protoestrelas estão liberando material brilhante, criando bolas de luz que emergem da formação, que aparece dramaticamente escura em luz infravermelha.

“O centro galáctico é o ambiente mais extremo de nossa galáxia da Via Láctea, onde as teorias atuais da formação de estrelas podem ser testadas com o máximo
rigor”, disse Jonathan Tan, professor de pesquisa de astronomia e um dos conselheiros de Crowe na Universidade da Virgínia, em um comunicado.

Além disso, a Near-Infrared Camera do observatório detectou emissões de hidrogênio ionizado ao redor da borda inferior da região estelar, representada em ciano na imagem.

Os astrônomos ainda estão tentando determinar o que criou a vasta quantidade
de gás energizado, que supera o que normalmente seria liberado por jovens estrelas massivas. A equipe de observação também está intrigada com estruturas que se parecem com agulhas dentro do hidrogênio ionizado que estão dispostas sem qualquer ordem.

“O centro galáctico é um lugar lotado e tumultuado. Existem nuvens de gás
turbulentas e magnetizadas que estão formando estrelas, que então impactam o gás circundante com seus ventos de saída, jatos e radiação”, disse Rubén Fedriani, co-investigador do projeto e pesquisador pós-doutoral no Instituto Astrofísica de Andalucía na Espanha, em um comunicado. “O Webb nos forneceu uma tonelada de dados sobre este ambiente extremo, e estamos apenas começando a explorá-los.”

Veja também: Aurora boreal surpreende passageiros de avião que chegou a Lisboa

Compartilhe com seus amigos!